06/12/2010

Gaiarsa

Posted in Sem categoria às 1:46 por ostrinta

Todos criamos cascas protetoras, para nos defender dos outros.

Bichos cascudos têm pouca mobilidade, e machucam os outros. Ter prazer na vida, e evitar a dor.

Não demonstramos o amor que sentimos, quando amamos.

Amor é ruim? Feio? Dói?

Também evitamos o choro, mesmo quando a vontade é grande.

Choro é feio? Dói?

A mulher e o homem apaixonados se encontram.Tem vontade de pegar um na mão do outro, afagar o cabelo, abraçar, olhar nos olhos, puxar o nariz, brincar de faz de conta, manifestar ternura, contentemento, alegria, felicidade.

Mas em geral não fazem nada disso.Tolhem os gestos mais espontâneos e ingênuos…

Dariam prazer … Dizemos:

– Não estava na hora.

– Ele não é a pessoa certa.

– O lugar não era adequado.

– O que iriam pensar?

– Não devo, não sou dessas.

Procuramos prazer e evitamos a dor?

…defendemo-nos de coisas excelentes ….

O orgulhoso é especialista em colcar-se acima das coisas, e incapaz de vivê-las.

O gozador tem grande capacidade em rir de tudo, porém, não sente nada de importante, já que tudo é risível…

O displicente não leva nada a sério, então, não há nada que lhe interessa…

A ingênua diz com espanto nos olhos que tudo é novo, mesmo acontecimentos velhos de muitos anos…

O cobrador vive exigindo que as pessoas cumpram sua obrigação, com isso elimina a possibilidade (e risco) das respostas espontâneas.

O desconfiado está sempre desconfiado e afasta as coisas boas que interpreta como malévola.

A eterna vítima é técnica em queixar-se, portanto não se arrisca a viver uma situação agradável.

O Don Juan transforma a vida numa caçada à mulher, porém é incapaz de amar alguém.

O falador interminável teoriza sobre tudo e não vive, a vida é um dicionário.

… são só alguns exemplos de cascas… há tantas….e todas dificultam a vida. Como se fossem óculos escuros, impossibilitando a visão do arco-iris.

… Todo bicho muito cascudo,tartaruga, besouro, morre quando cai de costas. Seria bom aprender esta lição.

A casca oprime, limita e sufoca. Nos torna burro em todas as reações que fogem a nossa especialidade. Nos deixa tenso e sem reações de forma que deixamos a vida passar sem ralmente vivê-la, como se passa o tempo.

“Gaiarsa”

Gaiarsa

13/05/2010

Um pouco … demais !

Posted in pessoal às 1:04 por ostrinta

Louca!

Um pouco revoltada, sozinha! Um pouco solta, livre!

Confusa! Dramática, um pouco folgada, um pouco magra, impulsiva, um pouco compulsiva, colorida, observadora, um pouco desidratada, sensível.

Um pouco branca, um pouco animada, as vezes, muito animada, as vezes, um pouco desanimada,  loira … bonita?!

Um pouco transviada, metida, um pouco paciente, generosa,  um pouco agressiva, um pouco ousada, corajosa!

Demais!

Um pouco um pouco,um pouco …
Um pouco contra, um pouco a favor … alternativa … diferente demais.

08/05/2010

Beija flor

Posted in pessoal às 16:39 por ostrinta

Hoje um beija flor veio me visitar dentro da minha casa.
Tão lindo!
Escuro, pequeno … colorido, brilhante.
Intenso, ansioso … delicado, cuidadoso.
Rápido, esperto … s u a v e .
Suavemente ele veio, e quando ele parou, na minha frente, por um momento, por uma eternidade, tudo em volta parou. Eu parei! Em estátua.
Com exceção de um sorriso, que, incontrolávelmente, se esticou largo e lentamente em meus lábios.
Tentei nem respirar! Mas do mesmo jeito que ele veio, ele se foi. Eu, que era estátua desmontei em um suspiro feliz e flagrei meu coração disparado …
Que momento!

30/04/2010

Bach por Vanessa Mae … vontade de chorar … emocionante

Posted in Sem categoria às 10:43 por ostrinta

29/04/2010

vontade de voar

Posted in Sem categoria às 22:34 por ostrinta

É lá do alto que a gente só enxerga o que há de belo.
É como se visse as coisas de longe.
Tudo pequenininho. Tudo tão grandioso.
Será por isso que quando não queremos ver, não queremos sentir, queremos fugir, dá vontade de voar?
Mas a sensação de voar é tão boa! É de liberdade! É livre, leve!
Tá… não é pra sempre, mas é instantânea.
Não é duradoura, mas pode ser esclarecedora.
É diferente quando a gente volta.
Tá… eu sei! Eu não sei voar!
Mas eu já voei, eu sei voar! Juro! Eu acho… eu tentei …
Às vezes eu tento… hoje eu tentei.
Estou tentando… agora.

17/04/2010

delícia de ouvir …

Posted in música às 19:45 por ostrinta

Uma noite muito louca!

Posted in pessoal às 17:32 por ostrinta

Uma noite emocionante pode ser uma noite de uma emoção só oooou pode ser uma noite com muitas emoções juntas, misturadas, emboladas, embaralhadas, intercaladas e confundidas de uma vez!

As duas são boas, mas essa última é praticamente um devaneio. Muito louca!

Acontece de vez em quando, e é incrível.

15/04/2010

cabelo de festa

Posted in moda às 10:34 por ostrinta



Cada vez mais estou adepta ao site do petisco com Julia Petit (chiquérrima!), vou repostar aqui tudo que acho incrível, se é que isso existe …

Ainda vou sair com esse cabelinho pra um casamento quando estiver sem grana pra ir em um cabeleireiro!! rs

AMEI

Seja um idiota

Posted in pessoal, sociedade às 9:21 por ostrinta

“A idiotice é vital para a felicidade.

Gente chata essa que quer ser séria, profunda e visceral sempre. Putz! A vida já é um caos, por que fazermos dela, ainda por cima, um tratado? Deixe a seriedade para as horas em que ela é inevitável: mortes, separações, dores e afins.

No dia-a-dia, pelo amor de Deus, seja idiota! Ria dos próprios defeitos. E de quem acha defeitos em você. Ignore o que o boçal do seu chefe disse. Pense assim: quem tem que carregar aquela cara feia, todos os dias, inseparavelmente, é ele. Pobre dele.

Milhares de casamentos acabaram-se não pela falta de amor, dinheiro, sexo, sincronia, mas pela ausência de idiotice. Trate seu amor como seu melhor amigo, e pronto.

Quem disse que é bom dividirmos a vida com alguém que tem conselho pra tudo,soluções sensatas, mas não consegue rir quando tropeça?

hahahahahahahahaha!…

Alguém que sabe resolver uma crise familiar, mas não tem a menor idéia de como preencher as horas livres de um fim de semana? Quanto tempo faz que você não vai ao cinema?

É bem comum gente que fica perdida quando se acabam os problemas. E daí,o que elas farão se já não têm por que se desesperar?

Desaprenderam a brincar. Eu não quero alguém assim comigo. Você quer? Espero que não.

Tudo que é mais difícil é mais gostoso, mas… a realidade já é dura; piora se for densa.

Dura, densa, e bem ruim.

Brincar é legal. Entendeu?

Esqueça o que te falaram sobre ser adulto, tudo aquilo de não brincar com comida, não falar besteira, não ser imaturo, não chorar, não andar descalço,não tomar chuva.

Pule corda!

Adultos podem (e devem) contar piadas, passear no parque, rir alto e lamber a tampa do iogurte.

Ser adulto não é perder os prazeres da vida – e esse é o único “não” realmente aceitável.

Teste a teoria. Uma semaninha, para começar.

Veja e sinta as coisas como se elas fossem o que realmente são:
passageiras. Acorde de manhã e decida entre duas coisas: ficar de mau humor e transmitir isso adiante ou sorrir…

Bom mesmo é ter problema na cabeça, sorriso na boca e paz no coração!

Aliás, entregue os problemas nas mãos de Deus e que tal um cafezinho gostoso agora?

A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso cante, chore,dance e viva intensamente antes que a cortina se feche!”

Arnaldo Jabor

LUXÚRIA

Posted in pessoal, sociedade às 8:34 por ostrinta




Olhar-se no espelho nem sempre é tão agradável para a maioria das pessoas hoje em dia e sabendo disso, fico me perguntando o que realmente falta para as pessoas fazerem desse exercício algo prazeroso. Será uma mudança no corpo ou serão mudanças nos olhos de quem se vê no espelho?

A sociedade tem exercido uma postura extremamente crítica e observadora sobre o ser humano e uma delas tem sido uma exigência sobre o corpo, estabelecendo padrões estéticos, rotulando e classificando pessoas de acordo com sua imagem corporal. A cultura do belo, do corpo perfeito, simétrico e teoricamente saudável.E isso tanto para mulheres quanto para os homens!

A indústria corporal através dos meios de comunicação encarrega-se de criar desejos e reforçar imagens, padronizando corpos. É uma perseguição irreal, a da procura por atingir um corpo perfeito, passado por cima de diversos fatores como por exemplo o fator genético!

Pensando bem … de que vale perseguir algo que nem sequer existe? Será que cuidamos de nós por nós mesmos, ou pelos outros?

Se pudessemos começar partindo do princípio que é no nosso próprio corpo que vivemos, efetivamente não compreenderíamos o cultivo do corpo perfeito.

Claro que compreendo a necessidade de nos sentirmos bem com o que somos e nas revistas existe o corpo perfeito (veja as fotos!!), mas não seria mais sensato buscarmos a felicidade que existe dentro de cada um de nós e não em nossos corpos?

Próxima página